Technische Universität München

The Entrepreneurial University

 
É agora claro que os ligandos canabinóides endógenos e os receptores canabinóides são encontrados no cérebro e na periferia, principalmente em células do sistema imunitário. Os estudos in vitro mostraram que os canabinóides modulam as células imunológicas, como as células T e os macrófagos.
Os canabinóides podem modular a função e secreção de citocinas a partir das células imunológicas. Desse modo, os canabinóides podem ser considerados para o tratamento de doenças inflamatórias.
Os canabinóides são moduladores imunológicos que podem estimular ou diminuir a função imunológica. De facto, alguns estudos sugerem que os canabinóides modulam a função dos linfócitos T e B, assim como as células NK e macrófagos. Os canabinóides podem melhorar uma doença, assim, a utilização de marijuana pode aumentar a susceptibilidade para doenças infecciosas, como foi registado em adolescentes que eram utilizadores de marijuana.
Além disso, o THC (tetrahidrocanabinol) afectou a produção de citocina, principalmente as quimiocinas e IL-10 produzidas pelas células T e B, NK e células mielóides. Estas alterações podem provocar uma função imunológica defeituosa e alterações na reacção a infecções, incluindo retrovírus, como o VIH em utilizadores de marijuana. Como conclusão, os canabinóides possuem efeitos específicos na expressão de quimiocina e citocina por populações de células T, células B, células NK e macrófagos, que podem ser benéficos para doenças auto-imunes/inflamatórias, mas podem aumentar doenças infecciosas, géneses de tumores ou exacerbar inflamações alérgicas nos pulmões.
drucken 

www.doping-prevention.com